BACK

Os Marquardt e os Lüdke de Erechim
( Terceir
o capítulo )

Os Lüdke

     Pela ordem cronológica de chegada ao Brasil, Os Lüdke vieram antes dos Markwardt, por isso vamos começar pela história deles.
     Os Lüdke, de família originalmente vividos para a agricultura, estavam sofrendo por causa da decadência econômica sofrida pela escassez de recursos na sua área profissional, e decidiram tomar novo rumo na vida e partiram para a migração.

     Tudo começa com Hermann Franz Alexander Lüdke e sua esposa Maria Pauline (Duske) Lüdke, os avós maternos de Bruno Marquardt. Maria tinha uma irmã, Johanna, que se casou com Julius Luschnat e que migraram para os EUA. O casal Hermann e Maria Lüdke resolvem também migrar para a América. Porém, ao comprarem suas passagens, o seu destino é traçado para a América do SUL e não para a América do NORTE. Pode ter havido um engano por não saberem ler e escrever direito ou não entenderem bem as instruções para migração escritas em outras línguas. Talvez o desejo teria sido o de irem para a terra da irmã de Maria. O fato é que vieram parar na América do Sul, no Brasil da Imperatriz Leopoldina.

     Hermann e Maria, que viviam na região de Minsk, no vale do rio Pripjet, saíram da Rússia em maço de 1911, e de trem desceram percorrendo vários países até chegar ao porto italiano da cidade de Trieste, tomando um navio e vindo a desembarcar no Brasil no porto da cidade do Rio de Janeiro em maio do mesmo ano. Dali seguiram viagem para a região centro-sul do Estado do Rio Grande do Sul, para a localidade recém desbravada chamada de "Paiol Grande", que pertencia ao município de Getúlio Vargas e que veio a se emancipar em 1918 e hoje é a cidade de Erechim. De lá as famílias receberam colônias distribuídas por "linhas" e a da família Lüdke era a "linha 3", posteriormente também chamada de "linha Gramado".

     Dos Lüdke, além de Hermann, Maria e filhos, vieram também a irmã de Hermann, Wilhelmine (casada com um Stolt e posteriormente com Joseph Marianovich) e a sobrinha de Hermann, a Maria, filha de Albert Lüdke (irmão de Hermann que também fora para os EUA) casada com Edward Schröter.

     Contava-se uma piada nas rodas familiares aqui no Brasil que pode ter um fundo de verdade, ou ser também mera especulação: Na época da saída dos Markwardt da Rússia, os filhos mais velhos de Karl Gustav já estavam em idade para se casar e os Markwardt conheciam muito bem os Lüdke. Com a saída de Hermann Lüdke da Rússia para o Brasil perguntavan-se o que fariam agora, já que as filhas e filhos do velho Lüdke haviam ido embora. Posteriormente o filho mais velho de Karl Gustav e o filho mais velho de Emil casaram com duas filhas de Hermann Lüdke. Depois disto ainda mais dois casamentos Markwardt-Lüdke aconteceram. Ao todo saíram cinco deste tipo de casamento, chegando ao ponto de uma mulher ser sogra de uma prima de primeiro grau ... ( confira estes casamentos nas páginas das genealogias dos Marquardt e dos Lüdke )

     A viagem não foi fácil e demorava em média dois meses e havia a bordo muitas pessoas e o perigo de disseminação de doenças era real. No meio de uma destas viagens não era raro pessoas morrerem, principalmente as crianças e os mais velhos. Neste caso os mortos eram jogados ao mar, para que os outros não fossem contaminados no resto da viagem.

Introdução - 1º cap - 2º cap - 3º cap - 4º cap - 5º cap - 6º cap - 7º cap

BACK

Clique aqui para fazer o download do texto da
História dos Marquardt e Lüdke de Erechim - RS.